Ser uma mãe feliz é o melhor que posso fazer pelos meus filhos

Ser uma mãe feliz, sem culpa, é algo possível? É sempre quando eu menos espero, é sempre sem avisar que a culpa me pega pela mão e caminha comigo pela vida. Pode ser em um dia de trabalho. Pode ser quando vou para a aula. Em uma viagem sem crianças ou em algum momento de diversão. Sempre aparece aquela voz que ecoa: “Será que você devia estar fazendo isso? Você é mãe!”. Tem vezes que não preciso de mais do que poucos minutos para silenciar esse sentimento. Mas, em outras, ele me paralisa e me impede de realizar o que eu quero.

Diante da culpa materna, reside em mim uma sensação de que nunca sou suficientemente boa como mãe. Tenho a expectativa de estar próxima dos meus filhos quando eles lidam com desafios, amparar suas fragilidades emocionais e contribuir para seu desenvolvimento constantemente. Por muito tempo, achei que isso só seria possível se eu me dedicasse exclusivamente a eles. Ou se fosse a pessoa que, de longe, passasse o maior tempo com seus cuidados. Esse sentimento não é exclusividade minha – talvez você, mãe do outro lado da tela, se sinta dessa forma também.

Esse tipo de sentimento tem suas razões históricas. Elisabeth Badinter mapeia essa questão no famoso livro Um amor conquistado – O mito do amor materno, lançado nos anos 1980. Foi a partir do século 18 que se construiu a ideia de que o amor que vem da mãe deve ser incondicional, puro e angelical.  As necessidades do filho, da família e do marido ficam em primeiro plano. Só depois, os desejos dessa mãe. Com ela, e inúmeros trabalhos delimitadores desse modelo – o de Rousseau é um deles –, aparece o padrão ideal, perfeito de maternidade.

O resultado é que, anos depois, ainda nos vemos sendo perseguidas por esse modelo, que parece nos invadir e nos julgar a cada vez que optamos por algo que não implica em por nossos filhos em primeiro lugar. Outros impactos dessa pressão para ser uma mãe perfeita são os diversos casos de mulheres acometidas por doenças mentais: depressão, ansiedade e até síndrome de burnout materna – um esgotamento físico e mental que foi registrado nos anos 1970, originalmente associado à vida profissional, mas que pode ser relacionado à sobrecarga que as mães sofrem.

Como driblar esse peso tão difícil de carregar e administrar? Longe de mim querer ter respostas prontas. O que descobri, ao contrário do que a culpa me fazia pensar, é que investir em mim mesma e na minha felicidade com frequência tem um efeito muito positivo sobre os meninos. Depois de me dedicar a algo de que eu gosto, volto melhor para os cuidados com eles. Tenho mais paciência diante das birras. Consigo ouvi-los e estar mais presente. Além disso, tenho mais disposição para a brincadeira e para as leituras.

Mais descansada de ser mãe, e sentindo que as minhas demandas e os meus desejos têm seus espaços, consigo ser criativa. É assim que, entre uma brincadeira e outra, enxergo oportunidades para propor discussões às crianças.  Para apresentar os temas que eu acho importantes e ter trocas afetuosas que, tenho certeza, os marcam como marcam a mim. Buscar ser um indivíduo inteiro, que não se restringe ao papel da maternidade, me salva. E ainda mostra para os meus filhos que eles precisam ser inteiros também – longe do papel de filhos e dos meus braços. Nessa complexidade, aprendemos juntos e crescemos juntos. E acho que devagar, passo a passo, vou abandonando a culpa materna.

 


Martha Lopes é mulher, paulistana, jornalista e escritora. Trabalha há mais de 10 anos como editora, redatora e produtora de conteúdo, no mercado editorial, jornalístico e publicitário. Também atua como educadora, ministrando oficinas de comunicação e de escrita, e coordenando projetos do #KDmulheres, que a levou até a lista de mulheres inspiradoras de 2014, feita pela Think Olga. É mestranda da ESPM, onde pesquisa os discursos sobre maternidade na imprensa. 

2 thoughts on “Ser uma mãe feliz é o melhor que posso fazer pelos meus filhos

  1. Foi muito oportuno ler seu texto, em um delicado momento de minha vida. Venho sentindo uma esmagadora culpa por não ter conseguido proteger e acolher meu filho em um momento em que mais precisou de mim. Sei que ele sabe que o amo imensamente, mas infelizmente não fui suficientemente protetora e carinhosa como ele queria e precisava naquele momento específico de sua vida. Por longos anos fui triste e só agora apesar da dor que ainda carrego, começo a me permitir ser feliz e percebo que isso lhe faz bem de algum modo.

    1. Olá! Fico muito feliz de saber que você gostou do meu texto e que ele pode ajudá-la. Nem sempre é fácil trilharmos esse caminho da maternidade, não é mesmo? Mas com empatia e apoio vamos mais longe. Espero que você encontre tranquilidade no seu caminho! Um abraço e muito obrigada! – Martha Lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *