O imaginário dos contos de fadas, fábulas, teatro e muito mais!

Em junho, a seleção de livros do Clube de Leitura Quindim trouxe o imaginário infantil povoado por diferentes histórias, personagens, linguagens e gêneros literários. Nossos curadores escolheram os melhores livros com muito carinho. Confira!

 

Pré-leitores

 

Bicholetra

Autora: Maté | Editora: Globinho

O processo de alfabetização da criança não está restrito à educação formal. Ele começa desde que nasce e envolve a descoberta de sons, formas e significados.

No livro Bicholetra, encontramos uma rima que reforça a memorização e sonoridade da palavra e da mensagem. Ao brincar com as palavras, a autora descreve características físicas dos animais, o seu habitate, as suas habilidades e os seus comportamentos.

O livro ainda apresenta para as crianças novas palavras, cenários, sensações e movimentos. A autora trabalhou muito com colagens, texturas e cores para compor os animais. Bicholetra é uma obra que nos contagia estimulando a descobrir o movimento e o volume que cada letra representa.

 

É hora do almoço!

Autora: Rebecca Cobb | Editora: Melhoramentos

O que come um crocodilo, um lobo, um urso ou uma menina quando estão com fome? Na infância, a criança está construindo o seu paladar. Portanto, é importante que ela experimente diferentes alimentos. Que sinta os diferentes cheiros e texturas dos vegetais e das frutas, por exemplo. A Dra. Camila Miele, uma das curadoras do Quindim, já deu algumas dicas.

A história É hora do almoço! é um delicioso convite ao imaginário. Nas primeiras páginas, o personagem brinca com suas mãos criando um crocodilo de sombra e já nos convida a aguçar todos os nossos sentidos.

A autora não se limita a temática da alimentação. Ela vai além e traz muitas outras questões que permeiam o universo infantil no dia a dia, como medos, brincadeiras, regras, organização e outros.

 

Leitores iniciante

 

De carona na Carochinha

Escritora: Flávia Savary | Ilustrador: Laurent Cardon | Editora: Globinho

O livro apresenta sete fábulas – animais com comportamentos humano – que podem ser lidas separadamente ou no con­junto da obra. A fábula é um gênero literário que nasce da tradi­ção oral e está intimamente ligada com a sabedo­ria e ao imaginário popular. Histórias como O casamento de dona Baratinha, A onça e o bode ou Festa no céu atravessaram gerações e gerações encantando crianças e adultos. Nesta versão, a escritora Flávia Savary acrescentou pala­vras atuais, rimas e humor a essas fábulas.

Já o ilustrador Laurent Cardon brinca com seus desenhos, transportando o leitor entre o passado e o contemporâneo. Laurent tem um traço moderno que realça as características humanas nos diferentes animais, enquanto utiliza giz de cera e enquadra os desenhos numa moldura redonda ou quadrada, reme­tendo o leitor a um livro antigo.

 

A vida é um trem 

Autor: Alexandre Camanho | Editora: Sesi-SP

O que podemos encontrar num trem? Este livro nos leva a uma viagem pela vida através do olhar de uma criança, repleto de surpresa e entusias­mo. O autor apresenta neste livro de imagem uma narrativa filosófica sobre a vida, sobre a passagem de tempo, sobre encontros, possibilidades de chegada e de partida. De maneira muito original, o ilustrador faz uma homenagem a artistas gráficos da década de 1960 e 70, trazendo também referências da charge. Apesar de trabalhar com a linha do trem, as ilustrações não induzem somente a uma leitura linear. O autor confia no imaginário do leitor para criar diferentes leituras a partir dessas referências visuais.

Entregar livros como A vida é um trem ajuda a criança a desenvolver o seu processo de raciocínio e a fazer conexões, por meio das ilustrações, com sua experiência de vida.

 

Leitor autônomo

 

A Bela Adormecida

Escritor: C. S. Evans | Ilustrador: Arthur Rackham | Tradutor: Fernando Paz | Editora: Sesi-SP

A história de A Bela Adormecida sempre foi vista como um ritual de passagem da adolescente para mulher. No 15º aniversário, a princesa cai no sono profundo esperando o seu príncipe para despertá-la. O ritual europeu dessa passagem perdura em nossa sociedade. Ainda hoje encontramos os bailes de debutantes ou as festas de 15 anos para as meninas. Mas reduzir essa história colocando a mulher numa versão passiva é um erro. Na verdade, as personagens femininas conduzem a história. A rainha toma decisões importantes sobre a sua filha, as fadas ofertam as características da princesa que inclui não só beleza mas sabedoria e poder de decisão.

O conhecido ilustrador Arthur Rackham trabalha com a silueta dos personagens acentuando dramaticidade e movimento às imagens, convidando o leitor a preencher com a sua imaginação o colorido dos figurinos e cenários dessa história.

 

O Rouxinol e o Imperador

Escritor: Hans Christian Andersen | Adaptação: Denise Crispun | Ilustradora: Mariana Massarani | Editora: Escrita Fina

A clássica história de Andersen contada em forma de teatro. Um imperador que valoriza o artifício em detrimento do real, levando-nos a refletir sobre as nossas escolhas. A máquina pode ser útil para o homem e para o desenvolvimento da sociedade. Poderá, inclusive, apresentar características de seres vivos. Mas nunca a máquina substituirá o homem nem terá os sentimentos e conflitos das pessoas ou dos animais. A ilustradora Mariana Massarani transforma uma pequena vinheta – que a princípio poderia ser uma ilustração decorativa de uma menina – em um desenho animado. Basta brincar com o livro, num movimento rápido de passar as páginas, que essa menina ganha vida!

 

Leitor fluente

 

Haicai do Brasil 

Organização e ilustrações: Adriana Calcanhotto | Editora: Edições de Janeiro

Você sabia que o haicai é a forma de poesia hoje mais praticada no Brasil? Mais que soneto no século XIX. Poema curto, de origem japonesa, tem entre suas características a simplicidade na linguagem e os temas que em geral se referem ao cotidiano e à natureza. Nesta antologia, Adriana Calcanhotto apresenta o rico panorama dos haicais no Brasil, reunindo no mesmo espaço nomes consagrados e menos conhecidos da literatura brasileira, como Carlos Drummond de Andrade, Paulo Leminski, Erico Verissimo, Millôr Fernandes, Teruko Oda, Carlos Verçosa, Glauco Mattoso e muitos outros que se encantaram por essa forma potente de poesia, a mais sintética de todas.

Organizada de modo cronológico, permite que o leitor mais experiente identifique a influência das diferentes escolas literárias brasileiras, quando lido linearmente.

 


Conversa de morango e outros textos cheios de graça

Escritor: Carlos Drummond  de Andrade | Ilustrador: Fido Nesti | Editora: Companhia das Letrinhas

Muitos são os escritores que fizeram do dia a dia a matéria-prima para suas histórias. Estamos sempre na corrida, fazendo as mesmas coisas, andando pelos mesmos caminhos, e esquecemos de observar quanta poesia existe em nosso cotidiano. Neste livro, o mosquito não é só para nos picar, o cinto não é só para segurar as calças, muito menos os animais são restritos a uma utilidade.

Na literatura de Drummond, tudo ganha outro significado e nos revela um novo olhar para a dura rotina de todo dia. Ele se utiliza do nonsense – um estilo característico de humor sem sentido, lógica ou coerência – para afastar o leitor do óbvio e ex­plorar diferentes possibilidades, sem deixar de fazer uma crítica social. Estamos acostumados a procurar a lógica em tudo. Desconstruir essa lógica dá mais liberdade para o nosso imaginário e nos possibilita ver o belo, o diferente, o contraditório, o que está oculto e aprender a lidar com os outros e com os nossos sentimentos.

 

Conheça todos os livros que já foram selecionados em 2017 e 2018 pelo conselho curador do Clube Quindim.

SalvarSalvarSalvarSalvar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *