10 competências para o futuro: o que o mercado de trabalho vai exigir dos seus filhos daqui a 10 anos

Pense no mundo da sua infância e pense no mundo de hoje: muita coisa mudou, não é mesmo? Pois, diante disso, imaginar o mundo que deve se descortinar quando nossos filhos forem adultos é uma tarefa quase impossível, especialmente nas competências para o futuro. Além de recursos tecnológicos que avançam a uma velocidade exponencial, o futuro parece nos reservar um cenário de mudanças climáticas, acirramento de opiniões, novas profissões e uma integração ainda maior do humano com as máquinas.

De acordo com o historiador israelense Yuval Noah Harari, autor do fenômeno editorial “Sapiens”, enfrentamos e seguiremos enfrentando três problemas globais: a ameaça de uma guerra nuclear, a mudança climática e a disrupção tecnológica, incluindo o desenvolvimento da inteligência artificial e da bioengenharia. O especialista destaca também o perigo crescente das notícias falsas, que, com os recursos tecnológicos e o acesso aos nossos dados, poderão ser moldadas aos interesses das pessoas.

De olho no futuro, o Fórum Econômico Mundial também produziu um relatório com as habilidades que serão valorizadas no mercado de trabalho nas próximas décadas. A instituição ressalta que, até 2020, 35% das habilidades mais demandadas para as profissões hoje devem mudar, e isso se deve em grande medida ao que chamam de “Quarta Revolução Industrial” – uma transformação condicionada pela robótica, pela automação do transporte, pela inteligência artificial e aprendizagem automática. Veja, portanto, que competências serão exigidas nesse futuro, de acordo com o Fórum Econômico Mundial e a ONU:

1. Flexibilidade cognitiva

Esse princípio se refere à necessidade de ampliar modos de pensar e buscar soluções inovadoras para problemas complexos. Em um contexto tão diverso e tão desafiador, pensar de forma diferente, combinando conhecimentos de áreas variadas, é fundamental.

2. Orientação para servir

O mercado deve demandar que o novo trabalhador tenha a habilidade de ajudar os outros. Saber servir e colaborar também são competências que se integram ao trabalho em equipe, outra ação essencial para os novos tempos. As empresas devem estar cada vez mais mobilizadas com as exigências dos clientes, mais um motivo para terem colaboradores que conseguem servir e atender bem.

3. Negociação

O relatório do Fórum Econômico Mundial destaca que, especialmente para as áreas da computação, matemática, artes e design, negociar vai ser fundamental. Equilibrar as diferenças, saber conciliar diversos perfis e interesses fará parte do cotidiano e será uma das importantes competências para o futuro.

4. Capacidade de julgamento e tomada de decisões

Diante de um mundo que operará com uma enormidade de dados, saber interpretar, julgar e decidir se tornam habilidades valorizadas. Também por isso é urgente criar filhos com pensamento crítico e repertório cultural – competências alcançadas por meio da leitura e da educação de qualidade.

5. Inteligência emocional

Reconhecer as suas emoções e as dos outros, com a habilidade de desenvolver empatia pelos sentimentos alheios, é o valor do momento. Tanto que ganhou uma recomendação especial na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento que vai regulamentar as aprendizagens a serem trabalhadas nas escolas. Trata-se, ainda, de uma habilidade que será amplamente reconhecida e buscada no profissional do futuro – mais uma competência que textos literários desenvolvem. Segundo pesquisa empírica desenvolvida pela Universidade de Cambridge, entre faculdades de Neurociência, Pedagogia, Literatura e Psicologia, textos literários são extremamente potentes no desenvolvimento de empatia, o que não acontece com ficções banais ou textos informativos.

6. Resolução de problemas complexos

O relatório do Fórum Econômico Mundial informa que, nos próximos quatro anos, 36% das atividades em todos os setores da economia vão exigir que o profissional saiba resolver problemas complexos. Essa habilidade é do tipo que é aprimorada com o tempo, que exige conhecimento interdisciplinar, pensamento crítico e integração de saberes a fim de que seja possível buscar soluções para desafios novos, nunca antes enfrentados. É também uma habilidade capaz de diferenciar humanos e máquinas, em tempos de inteligência artificial.  

7. Coordenação

Saber se conectar com o outro e colaborar mesmo com quem é muito diferente de você. Ter bom relacionamento com os colegas, coordenar competências em direção a um objetivo comum, trabalhar com personalidades diversas e se comunicar bem. Essas são ações esperadas do novo profissional dentro do tema da coordenação.

8. Criatividade

Trata-se de outra habilidade que nos diferencia dos robôs. Com ela, torna-se possível chegar a soluções para problemas inusitados e complexos, conectar saberes aparentemente incompatíveis, chegar a ideias, produtos e tecnologias inovadores – ou seja: tudo de que o cenário do futuro demandará.

9. Gestão de pessoas

É cada vez mais importante, e procurado pelos colaboradores, ter um ambiente profissional que valorize o funcionário como uma pessoa: dê espaço para a sua realização pessoal, contemple suas particularidades identitárias, seja aberto para a diversidade e para a inovação. Gerir pessoas à luz desse contexto, e ainda saber motivar e manter um espaço produtivo, é parte dos desafios do futuro.

10. Pensamento crítico

Articular raciocínio, lógica, repertório cultural e intelectual a fim de julgar e refletir para chegar a uma resposta ou a uma ação em determinada situação. Essa competência será essencial em tempos de fake news, inteligência artificial e problemas complexos.


Quer receber em casa livros infantis que desenvolvem 8 dessas 10 competências? Conheça o Clube de Leitura Quindim.

Clube Quindim

Saiba mais sobre o tema: Educação midiática: a alfabetização fundamental nos novos tempos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *